A Teoria e a Prática Espírita: O paradigma do espírito como uma via de emancipação

dois-caminhos-21Quais os caminhos entre a prática e a teoria? O texto de autoria do sociólogo Felipe Sellin analisa o panorama da doutrina espírita.  Nascido como uma ímpeto  libertador, o espiritismo figurava como uma força  capaz de transformar a sociedade. Todavia, seu discurso aliado a um concepção de pureza dogmática, lentamente fora se conformando  a uma realidade de dominação. Para o autor, se o espiritismo se radica numa tradição filosófica que promove profunda crítica social, o que há no movimento espírita é, na prática, um generalizado discurso de dominação e de conservação das estruturas sociais injustas. Nessa cuidadosa reflexão são delineados os horizontes de reflexão para uma prática transformadora


 

Em su’A Critica da Razão Indolente o filósofo português Boaventura de Souza Santos (2002) apresenta uma tensão que ele considera central na modernidade e que atinge todo o conhecimento: a polaridade entre, por um lado, o conhecimento emancipatório, capaz de empreender a livre ação dos sujeitos, levando a uma sociedade sem as amarras da dominação e, por outro, conhecimento regulatório, que implica diretamente na manutenção da ordem que vem sendo adquirida. A tensão abrange todas as áreas do saber, seja a ciência, o senso comum ou o direito.

Quarto_Stato
Il Quarto Stato, Volpedo

Quando a fraternidade, como lema da revolução francesa, perdeu espaço para a propriedade os caminhos desta tensão já começavam a se traçar. Não por acaso as constituições modernas tem como grande tarefa a manutenção do patrimônio privado. Essa ganha um valor maior que os seres humanos e passa a justificar uma série de atividades do Estado objeto da dominação legítima legal.

Mas, se por um lado a propriedade exerce sobre o direito essa influência predominante, por outro, o direito orienta a formação do pensamento racional regulatório e legitimador de uma ação estatal voltada para a manutenção da propriedade e do consequentemente status quo.

O que alguns autores chamam de livre arbítrio determinista nada mais é que a tradução espírita desta tensão moderna entre emancipação e regulação. Mas, assim como o saber tem sido um ganho para uma predominância da regulação, o espiritismo também vem recebendo influência desta visão de mundo colonizadora (que não nos permite pensar por nós mesmos) que vem levando a uma postura determinista, e obviamente kármica e fatalista, muito distante de sua origem.

O espiritismo aparece na França como filiado ao pensamento filosófico mais progressista da época. Como defende Dora Incontri (2001), a tradição pedagógica de Kardec está diretamente ligada a Pestalozzi, numa corrente que passa por Rousseau até chegar a Comenius. Todos estes percebiam a importância da educação para a completa emancipação do ser.

tumblr_static_tumblr_static_filename_640Diante a esta localização intelectual de Kardec, o espiritismo não poderia deixar de ser uma corrente progressista e contestadora. A meu ver a filosofia espírita remonta ao surgimento da filosofia moral do cristianismo primitivo, ou libertador como prefere Alysson Mascaro (2002). Assim, como na origem do cristianismo, há no espiritismo uma grande preocupação com a questão social. Nele, por exemplo, as desigualdades sociais são frutos do orgulho e egoísmo dos seres humanos e um dia tendem a acabar entre nós (LE 806).

Mas, por outro lado, o controle exercido pelo conhecimento regulatório tem sido a postura no meio espírita. O que melhor expressa a hegemonia do conhecimento regulatório sobre o movimento espírita é parte da cultura política espírita que é avessa ao conflito (a “paz pela paz” encobre as contradições e redunda na reprodução das desigualdades preexistentes). Atingindo inclusive a um importante educador como Ney Lobo (1992), que dedica uma obra completa para combater vertentes do espiritismo brasileiro e argentino que, ao perceberem a ausência de um espírito libertador no movimento espírita, resolvem dialogar com outras correntes em busca de respostas a suas inquietações, como os trabalhos de Manuel Porteiro e Humberto Mariotti.

Este sectarismo, que considero uma incompreensão quanto ao principal objetivo da obra de Kardec, é herdeiro do que vem sendo chamado no meio espírita de “pureza doutrinaria”. Na prática, significa uma recusa ao debate com a filosofia contemporânea – travestido de integridade – e a fobia à diferença e ao conflito – travestido de unidade. A visão purista repete os erros de todo o positivismo que se acreditava capaz de objetivismo, e imprime ao estudo do espiritismo toda uma série de preconceitos e ideologias de nossa época.

As ideologias são visões da realidade que não conseguem explicar as contradições existentes, mas que são muito eficientes para a legitimação sociais da dominação. Assim, a classe dominante (penso classe dominante do ponto de vista cultural, ou seja, estou falando do que comumente é tratado como classe média) constantemente busca justificar seus privilégios. A condição de classe do movimento espírita tem levado à mesma postura. Inconscientemente, criamos nossa auto ideologia e pagamos caro por qualquer pensamento capaz de validar nossos preconceitos de maneira científica e racional.

retirantes
Os Retirantes, Portinari

Como qualquer outra fonte de conhecimento, o espiritismo é utilizado na tentativa de justificação das contradições sociais que possam, em certa medida, confortar nossa alma para dormirmos sem culpa. Uma ilustração deste uso aparece quando Kardec afirma que “só é propriedade legítima a que tenha sido adquirida sem prejuízo para outrem” (LE 884). É a justificativa que precisávamos: existe propriedade legítima, logo a minha sempre será. Este pensamento desmerece a teoria da mais valia (pela estreiteza de ser concebida em meio ao materialismo).

Mas também toma a parte (cria a fantasia) e desmerece outras importantes passagens em que Kardec aponta para problemas como o da herança (809), sua defesa da propriedade social das riquezas (881) e até mesmo quando aponta que a natureza traça em nós o que é necessário, mas constantemente exageramos e desrespeitamos o equilíbrio natural, o que leva alguns possuírem muito e outros viverem apenas do mínimo para sobreviverem (716). Isso sem contar na problemática sobre o que seja causar prejuízo.

Portanto, há no espiritismo uma preocupação social e uma lógica progressista condizente com a filiação intelectual de Kardec. Mas, a dinâmica da modernidade, que também se reflete no Brasil, tem levado a uma leitura e uma continuidade que possui um viés ordenador e colonizante. A tarefa posta nesse momento é, como diz Herculano Pires, retomar a essência crítica do espiritismo, pois “a renovação do homem implica a renovação social,  mas,  desde que o homem renovado se empenhe na transformação do meio em que vive, sendo esta, aliás, a sua indeclinável obrigação”(1950).

Felipe Sellin é Bacharel em Ciências Sociais e Mestre em Sociologia Política, Sócio Diretor da ETHNOS Consultoria e Pesquisa social e professor universitário.

Referências

INCONTRI, Dora. (Tese de Doutorado) Pedagogia Espírita: um Projeto Brasileiro e suas Raízes Histórico-Filosóficas, Feusp, São Paulo, 2001.

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos – Filosofia Espiritualista (trad. Her-culano Pires). LAKE, São Paulo, 2002.

LOBO, Ney. Estudos de Filosofia Social Espírita. Ed. Federação Espírita do Brasil, Brasilia, 1992.

MASCARO, Alysson Leandro. Cristianismo Libertador. Ed. Comenius; São Paulo, 2002

PIRES, J. Herculano. Prefácio de: MARIOTTI, Humberto. Dialética e Metapsi-quica. Editora Édipo, 1950.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. Cortez: São Paulo, 2002.

Matéria publicada em Janeiro de 2015, Volume I, Ano I.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s